quinta-feira, 11 de junho de 2009

nAMORados

Drummond já dizia:
Quando encontrar alguém ...
... Se os olhares se cruzarem e neste momento houver o mesmo brilho intenso entre eles, fique alerta: pode ser a pessoa que você está esperando desde o dia em que nasceu.
Se o toque dos lábios for intenso, se o beijo for apaixonante e os olhos encherem d'água neste momento, perceba: existe algo mágico entre vocês."
É dessa e de muitas outras premissas que iniciamos a vida acreditando no par idel, na alma gêmea, no príncipe ou princesa encantados. Contos de fadas, poesia e canções que nos embalam no sonho do amor perfeito.
Ouso em deslizar pelo texto do poeta carioca. O amor dos contos de fada existe. O amor do poeta também, assim como o amor perfeito, mesmo que cheio de defeitos. E desse amor se constrói histórias de amor. Alguns encontram vários amores, cada um de uma forma diferente, porque o momento não é o mesmo, a pessoa é outra, portanto, jamais será igual. Do fervor da adolescência com os primeiros beijos, à juventude com os toques mais ousados e a descoberta do sexo, passeando pelo acúmulo de vivências, maturidade, e todos os amores são verdadeiros. Se "ama eternamente enquanto durar o amor", como afirmou Vinícius de Moraes. Outros encontram um grande e único amor na vida.
O bom mesmo do amor é que ele está em você e não no outro. Você pode amar sem jamais tocar, vivendo o platônico. Mas é concretizando que você vive, às vezes acha que foi um erro ter vivido com aquela pessoa, com outras consegue a cordialidade. Mas o amor só vai fazer diferença na vida de alguém, se encarado como o grande ato da vida.
Ame, se não der certo... ah, não pense assim, não deu errado, é porque era pra ser exatamente aquilo, o motivo já se justificou, o que deveria já aconteceu. Terminou, não deixou de ser válido...pois a cada amor vivido você se lapida e encara uma nova relação, amando ainda mais.
Mas, quem sou eu pra falar de amor?
Assim como os escritores de contos de fadas, os poetas, me embalo na ousadia de refletir sobre o amor, respeitando a verdade de cada um, mas pedindo espaço para falar da minha, porque eu sou mais um viajante do amor. E é assim que o amor se mantém um grande conto, onde cada um vive e interpreta da forma que desejar.
Aos que amam, tenham, veradeiramente, um espaço aberto para exercitar esse grande sentimento no dia dos namorados!

(A.Z)

Um comentário:

Claudinha Bártholo disse...

MUITO LINDO DÉA!!!
viva o amor!!!
e viva esse dia intensamente

beijos