terça-feira, 4 de novembro de 2008

O grito

Você sente que está ficando cheio,
o corpo pesa, tudo parece sufocar.
A mente já não equilibra pensamentos,
nos ombros uma cruz parece se alojar.

Parou e tudo continua do mesmo jeito,
então esbraveje, solte aquele grito contido,
mas faça isso somente para você, pois
assim como as palavras ditas,
os gritos ecoados são como uma flecha lançada,
não voltam atrás.

(Texto: Andréa Zílio / Foto: Priscila encontrou em algum lugar)

2 comentários:

Anônimo disse...

Acho que vc mudou o tom da sua escrita. Está lembrando as crônicas de Lya Luft, Martha Medeiros. Não desmerecendo nenhuma delas,prefiro o seu jeito. Aquele que não dá conselhos,mas que deixa escorrer os sentimentos,ampliar os olhares,ecoar as angústias e explodir os verbos. Beijão! Dani.

Priscilla disse...

Andréeaaaaaa...gente..teu blog ficou lindoooo..lindooo..adorei td..as cores..as fotos..a mistura..e nao me canso de dizer o quanto adoro seus textos..te adoroo!! bjs..


Priscilla