segunda-feira, 10 de agosto de 2009

Minha cinza, minha sina, renascer!

Me sinto, me nego, me desespero.
Na sina, no feito, no preceito.
Vejo cores, me embalo em sons, tons, batuques.
Peço licença com grosseria, empurro com gentileza, me faço em destrezas.
Embalo meu corpo na canção, faço da lembrança um baú de segredos.
Sinto o coração pulsar, o desejo latejar, em calafrios me esvaneço, em sabores me reconstruo. Sou cinza, minha sina, meu feito, meu preceito, renasço!

(A.Z/Foto: minha fênix tirada por Diogo Soares)

Um comentário:

Claudinha Bártholo disse...

Cada dia um recomeço, a gente nunca sabe o que vem pela frente, não sabe nem se vem...
então vamos sendo fênix todos os dias...
eu vou sendo flor de lótus, nascendo até do lodo...
:)
sorte na vida...amor...paz...e desejos.

te amu.