segunda-feira, 23 de fevereiro de 2009

Alma livre

As telas cromadas não ofuscam as luzes do arcenal de estrelas.
Parada, inerte, em uma intríseca vontade de querer, ela anestesia o coração em um novo embalo, de uma canção leve, livre, cheia de emoções.
Menina das risadas, jovem da alegria, mulher dos desejos, senhora do mundo, livra-te dos pesadelos mais estranhos e refaz essa trilha com serenidade, voracidade. Escala todos os sonhos impossíveis que só uma alma livre é capaz.
(A.Z)

Um comentário:

Golby disse...

Livre e leve. Mas até a leveza às vezes nos é insustentável. Seguramos a corda até onde der. Do contrário é melhor soltarmos. Sucesso e coragem neste novo momento. Sem pesadelos estranhos. Besos